terça-feira, 25 de outubro de 2016

Sobre a importância da Licenciatura

            Dou aula de espanhol já há algum tempo, mas não estudo licenciatura. Sou do bacharelado, sou da tradução, mas sou professora. Acontece que já tive muitos professores, já fiz muitas aulas. Pré-escola, ensino fundamental, ensino médio, cursinho pré-vestibular (dois diferentes), cursinho de química, cursinho de inglês uma vez, e duas, e três, e quatro, e cinco vezes (sim, em cinco escolas diferentes), de francês, de espanhol, de mandarim, em dois lugares, de libras, aulas de natação, de mergulho básico, de Pilates, de dança de salão, de flamenco, de ballet para adultos, de dança experimental, de yoga, aulas particulares de diversas coisas, parte do curso de Veterinária, curso de Letras. Sou viciada em aula, sinto falta de aula nas férias, sonho que estou tendo aula. Na sala de aula, aprendo o mesmo tanto sobre a matéria e sobre gente – às vezes, mais a segunda que a primeira parte. Eu me lembro de quando minha mãe começou a me alfabetizar, me lembro das atividades que eu fazia, me lembro da alfabetização na escola, me lembro de quando tinha que ir ler lá na frente quando estava no pré. Lembro de cada bom professor e, principalmente, dos não-professores.
            Para dar aula no ensino regular, ainda precisamos – que bom! – de uma licenciatura. Então, eu não dou aula no ensino regular. Já tive professora de matemática com licenciatura e sem nenhum tato e respeito para lidar com adolescente. Já tive professores sem licenciatura e com doutorado sem nenhum conhecimento de didática. Já estagiei com uma pessoa com pós em educação que “absorveu” do conteúdo o mesmo tanto que absorveria uma pedra. Mas, então, por que a necessidade de uma licenciatura? Bom, provavelmente me graduo no próximo semestre na tradução e pretendo seguir os estudos na licenciatura dupla português/espanhol (que, parece, será criada na minha universidade). No semestre anterior ao que iniciei o curso, participei de alguns cursos EAD, não muito bons, mas interessantes, sobre educação. As disciplinas que mais me agradaram na Veterinária foram relacionadas à educação, já realizei o curso (EAD) Gramática de referencia para la enseñanza de ELE (niveles C), pela Universidade de Salamanca, e pretendo participar de muitos outros. Então, como dá para perceber, eu realmente acho importante ter formação para ensinar.
            Acontece que, mais importante que o título, é o estudo. Mais importante que quatro anos e meio em uma faculdade, é estudar o resto da vida, todo mês, toda semana, todo dia, toda hora, o máximo de tempo possível, até ser aquilo – tudo bem, sem exageros (ou com exageros). Acredito que o mais importante da universidade é a troca de conhecimentos e o acesso a determinados materiais, e seria muito bom poder dizer que as pessoas teriam consciência o suficiente para procurarem sua formação, do jeito que lhes pareça mais eficaz, sem necessitarem de a obrigatoriedade de um sistema, mas me parece que não funciona para a maioria das pessoas. Eu sei que ainda não sei nada perto do que pretendo saber um dia, mas muitos se contentam com nada, e ter licenciatura como pré-requisito para dar aula é garantir que será menor o risco de alguém extremamente despreparado ser responsável por uma criança durante parte do dia. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário